Blog Autofoz

Óleo do motor vencido, o que fazer?

Óleo do motor vencido, o que fazer?

O óleo do motor vencido é um problema para quem precisa fazer o automóvel funcionar. Mesmo quem utiliza pouco o carro, precisa estar atento à validade do óleo lubrificante do motor. É preciso saber que existe um tempo de uso para esse importante componente do motor. Sem ele, o propulsor não poderá funcionar como se deve. No caso de um óleo envelhecido dentro dele, as consequências serão bastante graves à vida útil. Isso, porque ele comprometerá o pleno movimento das partes móveis do motor, permitindo um nível de atrito elevado, que deverá aumentar a resistência ao movimento e consequentemente danos estruturais, resultando no fatídico travamento do propulsor, onde apenas uma retífica poderá fazê-lo voltar ao funcionamento pleno.

 

Mas como o óleo vencido pode afetar o motor?

O óleo do motor possui algumas características que variam de acordo com a sua aplicação. Em geral, os lubrificantes possuem um tempo de vida útil, assim como o propulsor. Nesse caso, com o tempo, parte de suas propriedades vão se perdendo e isso reduzirá a capacidade do óleo de lubrificar as partes móveis do motor de forma adequada e dentro das especificações recomendadas. Ou seja, mesmo que o motor tenha funcionado muito poucos em meses, fazê-lo girar novamente com o mesmo lubrificante, acumulado no cárter por tanto tempo, significará um alto risco à durabilidade do propulsor. 

As limalhas resultantes do atrito normal das partes móveis do motor e outros resíduos oriundos do funcionamento do mesmo, estão misturados ao lubrificante no cárter e sua recirculação dentro do propulsor, mesmo com filtro, resultará num aumento considerável de risco ao motor.

 

Óleo do motor vencido, o que fazer?

Bom, em primeiro lugar, a solução lógica para este caso é sua substituição, especialmente se o carro foi adquirido de um terceiro e o novo dono não sabe quando de fato o óleo do motor foi trocado. Nesses casos, o ideal é evitar o funcionamento do propulsor, providenciando a troca do óleo se possível no local. Caso contrário, o melhor é guinchar o carro, colocando-o em um caminhão plataforma, especialmente se o carro ficou muitos meses ou anos sem qualquer funcionamento. Não se pode arriscar a funcionar o motor nessas condições, pois o risco de um travamento é altíssimo. 

Nesse caso, já dá para sair rodando com o carro e parar na oficina mais próxima para substituir o lubrificante. O mesmo vale para quem pouco usa o carro e ele acaba ficando muito tempo parado e esquecido na garagem. O tempo de vida do óleo e a sujeira resultante do funcionamento, formarão um dupla capaz de dar um bom prejuízo ao dono.

 

Como trocar?

É importante salientar que não se troca apenas o óleo lubrificante, mas também seu filtro. No caso de um óleo do motor vencido, se o mesmo estiver num motor que não funciona há algum tempo, será preciso drená-lo completamente para que o lubrificante velho saia por inteiro ou em sua maior parte, assim como aquele presente dentro do filtro. 

Algumas pessoas utilizam o chamado “flush” para fazer esse tipo de limpeza, mas isso envolve mais riscos ao motor. Por isso, o melhor é drenar o óleo velho e adicionar um novo, nas mesmas especificações do recomendado pelo fabricante. Motores mais antigos possuem a tendência a consumir mais óleo por causa do desgaste maior do que um propulsor mais recente. Por isso, deve-se ter ainda mais cuidado com a troca de óleo e filtro destes, sendo de preferência feitos juntos e em período menor que o recomendado no manual. Com um motor que funciona de vez em quando, com o mesmo quente, deve-se retirar o óleo.

O motivo é que devido à viscosidade do mesmo, fica mais fácil toda ou a maior parte de sua remoção, diferente de frio, onde parte ainda estará impregnada em certas partes do motor e mesmo sujando ainda o cárter. A partir daí, é importante ter uma periodicidade para troca de óleo do motor.

A recomendação, para casos em que o carro fica muito tempo parado, é trocar o óleo e filtro com no máximo seis meses, especialmente em motores com certa idade. Em carros novos, por exemplo, a troca de óleo por tempo geralmente, é de um ano, com algumas exceções. Caso o carro esteja sempre rodando, faça de acordo com a quilometragem do manual ou a cada 5.000 km no mínimo, para os mais velhinhos.

 

Fonte: Notícias Automotivas.

Comentários
Seja o primeiro a comentar
Deixe seu Comentário

LIGAMOS PARA VOCÊ

Informe seu telefone de contato para que um de nossos consultores lhe retorne.