Concessionária Fiat, Foz do Iguaçu - PR

Por Autofoz 26/08/2020

O farol é um dos recursos mais importantes nos automóveis, sendo imprescindível para a segurança no trânsito. Existem atualmente diversos tipos de farol para carro, e cada um deles deve ser utilizado em uma situação específica. Mas você sabe quais são as regras para utilização de cada um?
O uso incorreto do farol pode gerar multas graves para os motoristas. Por isso, é fundamental que você entenda quando pode e deve utilizar cada um dos tipos de farol. Confira!

Quais os tipos de farol mais comuns nos automóveis?

Atualmente, dos veículos no mercado podemos elencar como mais comuns 3 tipos de farol distintos: os convencionais, o farol de neblina e os faróis de milha. Iremos detalhar a seguir sobre cada um deles.

Faróis convencionais.

Os faróis convencionais estão instalados em todos os automóveis, e são aqueles utilizados com maior frequência.
Seu uso pode ser classificado por duas intensidades: farol baixo e farol alto. Cada um deles deve ser utilizado em momentos específicos, com regras para tal.

  • Farol baixo: é o mais utilizado no dia a dia dos motoristas, sendo obrigatório o seu uso à noite, em túneis e nas rodovias. Também deve ser acionado quando houver um veículo próximo logo à frente ou vindo no sentido oposto.
  • Farol alto: possui um facho de luz mais potente, e é utilizado para visualização de um trecho maior à frente do carro. Lembrando que o motorista deve desativá-lo sempre que tiver um carro próximo. Não é recomendado o seu uso em dias de neblina, uma vez que a luz refletirá nas gotículas de água, ofuscando a visão do motorista.

Faróis de neblina.

Este tipo de farol para carro fica localizado logo abaixo do pára-choque do veículo. Como o próprio nome já diz ele deve ser utilizado em dias de neblina ou então durante fortes chuvas.
Por isso, eles possuem um facho de luz mais largo e iluminam de baixo para cima, de modo que não ofusca a visão do motorista. É muito importante ressaltar que a utilização dos faróis de neblina não exclui a necessidade do uso do farol baixo.

Faróis de milha.

Este tipo de farol é mais encontrado em veículos off-road, uma vez que sua utilização é bastante restrita. Ele entrega uma iluminação muito mais potente que os faróis convencionais, atingindo uma distância de até 20 metros de alcance.
Os faróis de milha só podem ser utilizados em situações off-road ou em trechos com iluminação muito precária. Eles não podem ser utilizados em cidades e nem quando tiver veículos vindo na direção oposto em estradas, seu uso indevido pode ocasionar multas para o motorista.

Quais as luzes obrigatórias nos veículos?

O Código de Trânsito Brasileiro elenca como luzes obrigatórias nos veículos os seguintes itens:

  • Luz Alta: facho de luz do veículo destinado a iluminar a via até uma grande distância do veículo.
  • Luz Baixa: facho de luz do veículo destinada a iluminar a via diante do veículo, sem ocasionar ofuscamento ou incômodo injustificáveis aos condutores e outros usuários da via que venham em sentido contrário.
  • Luz de Freio: luz do veículo destinada a indicar aos demais usuários da via, que se encontram atrás do veículo, que o condutor está aplicando o freio de serviço.
  • Luz Indicadora de Direção (pisca-pisca): luz do veículo destinada a indicar aos demais usuários da via que o condutor tem o propósito de mudar de direção para a direita ou para a esquerda.
  • Luz de Marcha à Ré: luz do veículo destinada a iluminar atrás do veículo e advertir aos demais usuários da via que o veículo está efetuando ou a ponto de efetuar uma manobra de marcha à ré.
  • Luz de Neblina: luz do veículo destinada a aumentar a iluminação da via em caso de neblina, chuva forte ou nuvens de pó.
  • Luz de Posição (lanterna): luz do veículo destinada a indicar a presença e a largura do veículo.
  • Pisca-Alerta: luz intermitente do veículo, utilizada em caráter de advertência, destinada a indicar aos demais usuários da via que o veículo está imobilizado ou em situação de emergência.

Quais as regras para o uso de luzes nos veículos?

O Código de Trânsito Brasileiro elenca regras para o uso dos tipos de farol em ocasiões específicas. O Art. 40 traz as seguintes determinações para o uso de luzes:
I – o condutor manterá acesos os faróis do veículo, utilizando luz baixa, durante a noite e durante o dia nos túneis providos de iluminação pública;
I – o condutor manterá acesos os faróis do veículo, utilizando luz baixa, durante a noite e durante o dia nos túneis providos de iluminação pública e nas rodovias;
II – nas vias não iluminadas o condutor deve usar luz alta, exceto ao cruzar com outro veículo ou ao segui-lo;
III – a troca de luz baixa e alta, de forma intermitente e por curto período de tempo, com o objetivo de advertir outros motoristas, só poderá ser utilizada para indicar a intenção de ultrapassar o veículo que segue à frente ou para indicar a existência de risco à segurança para os veículos que circulam no sentido contrário;
IV – o condutor manterá acesas pelo menos as luzes de posição do veículo quando sob chuva forte, neblina ou cerração;
V – O condutor utilizará o pisca-alerta nas seguintes situações:
a) em imobilizações ou situações de emergência;
b) quando a regulamentação da via assim o determinar;
VI – durante a noite, em circulação, o condutor manterá acesa a luz de placa;
VII – o condutor manterá acesas, à noite, as luzes de posição quando o veículo estiver parado para fins de embarque ou desembarque de passageiros e carga ou descarga de mercadorias.

Ficou alguma dúvida? Não hesite em nos contatar!

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência.